Superintendente do Saae e Secretário de Desenvolvimento são ouvidos na CPI da CPFL

image_pdfimage_print

Próxima reunião da Comissão acontece dia 5, apenas com trabalhos internos

DSC_6330O superintendente do Serviço Autônomo de Água e Esgotos (Saae), Nilson Alcides Gaspar, e o Secretário de Desenvolvimento de Indaiatuba, Renato Orlando Stochi, foram ouvidos hoje (28) pelos membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura a qualidade dos serviços prestados pela concessionária CPFL no Município.
Stochi foi o primeiro a ser ouvido pelo presidente da CPI, Luiz Alberto ‘Cebolinha’ Pereira, na sala de reuniões da Câmara. Também estavam presentes o relator Carlos Alberto Rezendes Lopes (Linho) e os membros Mauricio Baroni, Massao Kanesaki, Antônio Sposito Junior (Toco) e Bruno Ganem.
Stochi confirmou que as indústrias do Município têm sofrido com as quedas de energia elétrica em Indaiatuba; elogiou o atendimento feito pelo funcionário da CPFL, Rogério Klinke G. Moura, mas reconheceu que há falta de conhecimento para analisar, tecnicamente, se o serviço está sendo feito corretamente ou não.
O secretário também afirmou que ano passado, chamou a empresa para saber se a subestação que está sendo construída vai minimizar os problemas no futuro, mas que do ponto de vista técnico, não sabe dizer se as informações prestadas pelos funcionários da CPFL estão corretas ou não. Stochi sugeriu que a CPI ouça alguém técnico para esclarecer todas essas dúvidas.
Gaspar foi a segunda pessoa a prestar depoimentos à CPI no início da tarde de segunda-feira. O superintendente do Saae também confirmou que em 2013 a autarquia sofreu 186h20 minutos de interrupções de energia elétrica.
A interrupção, segundo Gaspar, dependendo do tempo, compromete o abastecimento de água no Município. “No pico do problema identificamos que a questão era de atendimento e que a CPFL não estava cumprindo um acordo de, na ordem de interrupção de energia, preservar ao máximo, em primeiro lugar o Hospital Augusto de Oliveira Camargo e, em segundo, o Saae. Chamamos o Rogério e pontuamos nossas dificuldades; ele nos explicou que a CPFL passava por diversas mudanças com a vinda de uma nova equipe para atender Indaiatuba e que o problema seria sanado; no início de 2014 as quedas de energia voltaram a ocorrer, mas agora o que eles levavam de duas a três horas para nos atender, passou a ser cerca de 10 minutos”, disse.
Gaspar levantou os problemas apontados pela CPFL para as constantes quedas de energia: queda de raios, ventos fortes para a época do ano e queda de galhos e árvores. “Houve uma modernização da rede e hoje posso dizer que as interrupções não passam de meia hora, no máximo, por semana, o que não afeta nossas bombas e, portanto, não interfere no abastecimento de água do Município”.
Gaspar forneceu à CPI um histórico das interrupções de energia no Saae e prometeu estimar, em valores, os prejuízos causados às bombas e outros equipamentos da autarquia quando há falta de energia elétrica. Ele também afirmou que durante as quedas não há perda de matéria-prima, apenas queda na produção de água.
A próxima reunião da CPI ocorre dia 5 de maio, às 12h. Ficou definido que nesta data não haverá oitiva, mas apenas trabalhos internos da Comissão, que ainda pretende ouvir o diretor do Ciesp-Indaiatuba, José Augusto Rodrigues Gonçalves; alguns proprietários de empresas instaladas no Distrito Industrial de Indaiatuba; além de representantes da Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp).

 

Você pode gostar...